A lei vai mudar: espero ou me aposento?

Por Hilario Bocchi em 22/05/2017

Nem espere, tampouco se aposente: habilite seu direito no INSS.
O segurado que já pode se aposentar ou que está próximo da aposentadoria deve elaborar um diagnóstico previdenciário para saber qual será o valor do benefício a fim de detectar se realmente vale à pena esperar a alteração da lei.

retired

Pulo do gato

Desde que não receba nenhuma parcela do benefício, nem o FGTS e o PIS-PASEP, o segurado pode desistir da aposentadoria quando quiser.
Assim, depois de requerido o benefício, ficaria assistindo de camarote o que vai acontecer com a reforma previdenciária.
Caso as regras aprovadas sejam piores, é só ir até o INSS e começar a receber o benefício.
Por outro lado, se as novas regras forem boas, poderá desistir da aposentadoria e continuar contribuindo e planejar um benefício maior.
Esta dica é excelente, mas tem que ser muito bem executada.

www.tempodeservico.com.br

O segurado pode calcular seu tempo de contribuição, inclusive fazer a conversão do tempo de serviço especial em comum. Assim pode saber quando irá se aposentar.
Para fazer o cálculo do tempo de serviço acesse o site www.tempodeservico.com.br.

A lei vai mudar: espero ou me aposento?

Por Hilario Bocchi em 18/05/2017

Imagem de Amostra do You Tube

Dois empregos (ou mais)

Por Hilario Bocchi em 15/05/2017

As pessoas que exercem mais de uma atividade profissional (como empregadas ou contribuindo por conta própria) são obrigadas a pagar o INSS em cada uma delas.
Ocorre que nem sempre essas contribuições são integralmente somadas. Por isso os benefícios dessas pessoas são concedidos com valor reduzido e na maioria das vezes não tem conserto.
Todavia, se algumas regras forem observadas, é possível evitar surpresa na hora da aposentadoria.

Fotolia_82319907_Subscription_Monthly_XL

Pulo do gato

A complementação de contribuições é uma dica que normalmente resolve esta questão, mas o trabalhador pode gastar um dinheiro que não vai lhe trazer retorno.
O caminho para não pagar o que não vai receber é dimensionar o valor da futura aposentadoria e avaliar se vale a pena complementar as contribuições.

Revisão da aposentadoria

Existem algumas exceções a essas regras e por isso o segurado que já está aposentado deve solicitar no INSS a cópia do processo que deu origem à aposentadoria e refazer os cálculos para conferir se o valor do benefício está correto, lembrando que o prazo para pedir a revisão dos benefícios é de dez anos.

Dois empregos (ou mais)

Por Hilario Bocchi em 11/05/2017

Imagem de Amostra do You Tube

Reforma trabalhista: acordado sobre o legislado

Por Hilario Bocchi em 08/05/2017

A CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, responsável pela proteção dos direitos dos trabalhadores há mais de 70 anos, pode estar com os dias contados.
Muitos direitos estão na mira da reforma trabalhista, dentre elas o banco de horas, férias, jornada de trabalho e planos de cargos e salários.
Será uma evolução do direito trabalhista ou um retrocesso das conquistas obtidas com muita luta?

post-080517

Cenário atual

Uma pessoa empregada custa para a empresa quase o preço de duas.
E líderes, inclusive da classe trabalhadora, já estão começando a concordar com algumas mudanças, mas elas têm que ter muita responsabilidade.
É claro que os trabalhadores podem ser prejudicados. Quem dizer que não, está mentindo.
Mas repito, qual prejuízo poderia ter alguém que está sem emprego, sem dinheiro e sem perspectiva de se recolocar no mercado de trabalho?
Este “acordado sobre o legislado” significa que o que for combinado entre empregado e empregador deverá prevalecer sobre o que está na lei, ainda que a lei seja mais benéfica para um ou para outro.
Esta reforma pretende que cada um coloque as cartas na mesa e isso certamente pode fazer com que a corda arrebente para o lado mais fraco.

Reforma trabalhista: acordado sobre o legislado

Por Hilario Bocchi em 05/05/2017

Imagem de Amostra do You Tube

Previdência: reforma da reforma

Por Hilario Bocchi em 27/04/2017

Imagem de Amostra do You Tube

Cirurgia estética e direitos do trabalhador

Por Hilario Bocchi em 24/04/2017

O Brasil é o segundo país do mundo em cirurgias estéticas. Só perde para os Estados Unidos.
A definição da natureza da intervenção cirúrgica é o que define os direitos sociais do paciente.
Não existe uma lista previamente estabelecida das situações em que as cirurgias plásticas são consideradas necessárias.
Os Tribunais já analisaram situações pontuais, como a reparadora de acidente do trabalho; de reconstrução mamária decorrente de câncer; de redesignação de sexo e outras que atingem, direta ou indiretamente, questões ergonômicas ou da dignidade da pessoa humana (psíquicas).

IE022-021

Auxílio doença no INSS

Quando o INSS analisa um caso de benefício por incapacidade (auxílio-doença, auxílio-acidente e aposentadoria por invalidez), ele não pode questionar a razão do afastamento da atividade.
O trabalhador tem que provar que é contribuinte, que cumpriu os prazos de carência e que não tem condições de trabalhar. Só isso.

Reforma da previdência – Direito adquirido e regras de transição

Por Hilario Bocchi em 18/04/2017

Esta reforma da previdência não é primeira e certamente não será a última.
De todas as reformas que já aconteceram no Brasil, esta é a que mais vai mexer com os direitos conquistados depois de décadas de luta.
Como fica a situação das pessoas que já se aposentaram, que já preencheram os requisitos para se aposentar e daquelas que estão quase chegando lá?

Untitled-1

Direito adquirido

Quem já está recebendo algum benefício da previdência social pode ficar despreocupado por que a Constituição Federal garante que nada pode mudar em relação a essas pessoas.

O que é regra de transição?

Quando uma lei muda, ela pode começar a valer do dia para a noite, mas também pode ser aplicada devagar, um pouco de cada vez, ao longo do tempo até que passe a valer integralmente.
A norma nova pode fixar regras menos dolorosas para quem se encaixar nas novas diretrizes que são definidas. Isso é regra de transição.

Quem já está quase lá

A proposta prevê que homens com mais de 50 e mulheres que tenham mais de 45 anos na data em que a nova lei começar a valer, poderão se aposentar com as regras atuais, mas terão que pagar um pedágio. Pedágio é um tempo de serviço adicional.

E o que fazer agora? Eu conto na semana que vem…

Confira se vale a pena pagar contribuição para outra pessoa conseguir a aposentadoria

Por Hilario Bocchi em 05/04/2017

Imagem de Amostra do You Tube