Nunca é tarde para começar

Por Hilario Bocchi em 15/08/2017

Aumente sua aposentadoria

Por Hilario Bocchi em 14/08/2017

O início da aposentadoria não é o fim da perseguição do trabalhador na conquista do benefício que vai receber para o resto da vida.
Depois que o trabalhador começa a receber a aposentadoria, ele tem o prazo de dez anos para apontar e corrigir possíveis erros da Previdência Social que podem ter reduzido o valor da renda mensal.
E agora os Tribunais estão dando uma nova chance para os aposentados fazerem isso: a chamada revisão da vida inteira.

Cálculo mais vantajoso
Ao longo do tempo o cálculo do valor das aposentadorias teve fórmulas diferentes.
Antes os benefícios eram calculados com base nos salários dos três últimos anos que antecediam a aposentadoria.
Agora eles são, na maioria, calculados com base nos salários de julho de 1994 até o do mês anterior ao do início da aposentadoria.
Ocorre que tem muita gente que teve os maiores salários antes de 1994 e agora podem pedir a revisão do valor do benefício para incluir no cálculo os salários da vida toda.

Aumente sua aposentadoria

Por Hilario Bocchi em 11/08/2017

O retorno ao trabalho do acidentado

Por Hilario Bocchi em 07/08/2017

Desde quando o INSS começou a operação pente fino nos benefícios por incapacidade foram realizadas 200 mil perícias.
O Governo decidiu cancelar 180 mil benefícios.
Isto significa que a Previdência mandou voltar para o trabalho 9 entre cada 10 trabalhadores que estavam afastados.

Insatisfeitos

Fiquei muito preocupado com este número.
Será que realmente tem tanta gente assim inventando uma doença para ficar afastada do trabalho? Será que elas teriam como enganar os médicos tão fácil assim?
Quem está certo? O médico que afastou essas pessoas do trabalho ou o médico que diz que elas estão aptas para trabalhar?
Se alguém foi injustiçado, tem três caminhos a seguir:
a) pedir a reabilitação profissional e neste caso o benefício continuará a ser pago enquanto
perdurar este processo;
b) fazer um recurso no próprio INSS ou
c) o que eu penso que é o caminho mais adequado, pedir uma revisão da perícia na Justiça.

O retorno ao trabalho do acidentado

Por Hilario Bocchi em 03/08/2017

Direitos trabalhistas aumentam aposentadoria

Por Hilario Bocchi em 31/07/2017

Ao longo da vida os trabalhadores deixam de exigir alguns direitos que lhes causarão prejuízo na hora da aposentadoria.
Tem gente que não está registrada, que faz horas extras e adicionais noturnos que não são computados na remuneração.
Tem quem tem atividade de risco e não recebe adicional de insalubridade ou periculosidade.
Isso reduz o valor da aposentadoria.
Não é só de salário que o valor da aposentadoria é calculado.
Direitos trabalhistas como a hora extra, o adicional noturno, os adicionais de insalubridade e de periculosidade, além de muitos outros, são importantes na hora de calcular o benefício que será pago pelo INSS.
Esses detalhes, se não forem documentados dia a dia, podem escapar ao longo do tempo do controle do trabalhador e até mesmo serem desprezados quando for calcular sua aposentadoria.

Pulo do gato

A lei previdenciária diz que todos os direitos trabalhistas devem ser computados no cálculo do valor do benefício, seja ele um benefício programável, como a aposentadoria por tempo de contribuição, idade ou especial, ou um benefício de risco: aposentadoria por invalidez, auxilio doença ou auxílio acidente.
Até mesmo nos benefícios dos dependentes, pensão por morte e auxílio reclusão, esses direitos trabalhistas trazem vantagens.

Direitos trabalhistas aumentam aposentadoria

Por Hilario Bocchi em 27/07/2017

Indenização por danos estéticos

Por Hilario Bocchi em 24/07/2017

Quando uma pessoa é vítima de um acidente do trabalho, ela pode receber várias indenizações ao mesmo tempo decorrentes de um único acidente: um benefício do INSS, seguro privado, indenização por danos materiais, morais e até estéticos.
O dano estético é toda ofensa, ainda que mínima, à integridade física da vítima.
Ela pode ser representada por uma cicatriz, uma queimadura, mutilação, enfim, qualquer lesão que representa modificação da superfície ou forma do corpo e até mesmo um complexo de inferioridade.
Ele pode decorrer de um acidente de trânsito, acidente do trabalho, brigas ou qualquer lesão causada por alguém.

Lesões não aparentes

As deformidades em áreas ou partes intimas que dificilmente seriam vistas por outras pessoas também podem caracterizar o dano estético.
As alterações físicas, mesmo as pequenas, podem trazer um sofrimento para as pessoas que as possuem por que sabem que em situações de maior intimidade essas lesões passarão a ser visíveis.
É justamente este sofrimento que a indenização por dano estético pretende reparar.

Indenização por danos estéticos

Por Hilario Bocchi em 20/07/2017

INSS: foco nos aposentados por invalidez

Por Hilario Bocchi em 17/07/2017

O Governo está aumentando o cerco às pessoas que estão aposentadas por invalidez. Ele quer saber quem tem condições de trabalhar.

Até mesmo quem está inválido e consegue provar que está incapacitado fica preocupado.

Para muitas pessoas o benefício por incapacidade é a única fonte de renda. Só de pensar em ficar sem este dinheiro já é motivo de desespero.

Quem vai escapar?

Não precisará passar pela perícia quem tiver mais de sessenta anos de idade.

Quem tem mais de cinquenta e cinco anos e tiver afastado do trabalho há mais de quinze anos também pode não ser chamado para fazer perícia.

Pulo do gato

O segurado que não concordar com o resultado da perícia poderá apresentar, no prazo de trinta dias, um recurso para o próprio INSS, mas como o caso será analisado pelo próprio INSS, especialistas entendem que o segurado deve mesmo ir direto para a Justiça ao invés de fazer o recurso.

Outra alternativa é pedir a reabilitação profissional para o exercício de outra atividade. Neste caso, enquanto o aposentado não for reabilitado, deve continuar recebendo o benefício.