Violência sexual infantil: é necessário olhar para esta questão

Por Lívia Komar em 18/05/2018

A violência sexual é o segundo maior tipo de violência sofrido em crianças de 0 a 10 anos de idade, podendo ocorrer de duas formas: Exploração e Abuso.
A exploração sexual é caracterizada quando há intenção de lucro financeiro ou outro tipo de ganho, e ocorre de 4 maneiras: redes de prostituição, turismo sexual, pornografia e redes de tráfico.
Já o abuso sexual se dá quando uma pessoa mais velha “usa” a criança para obter prazer sexual, podendo ocorrer com ou sem contato físico com o (a) menor.
A violência sexual viola o desenvolvimento psíquico, físico e social da criança e do adolescente, causando danos psicológicos irreversíveis.

Hoje, 18 de maio, é o dia da Campanha de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.  O tema escolhido para este ano é  “O Silêncio protege o agressor”.

Engana-se quem pensa que o abuso ocorre apenas com crianças de baixa renda e que residam em locais tidos como de “risco”. Ele ocorre em qualquer local e classe social. Infelizmente mais de 80% dos casos de abuso ocorrem dentro da própria família, o que anula totalmente a possibilidade do menor contar a alguém, pois, além de vergonha, existe o medo de passar por mentiroso ou ser castigado.

Pais, fiquem atentos caso seus filhos apareçam em casa com objetos diferentes. Outros sinais importantes de que algo de errado possa estar acontecendo são o desânimo sem motivo aparente, apatia, falta de apetite e choro frequente.
A prevenção ainda é a melhor forma de combater a violência sexual. Você pode denunciar qualquer situação que caracterize esse quadro através do Disque Denúncia, ligando para o número 100, ou acionando o Conselho Tutelar da sua cidade. A denúncia pode ser anônima.
Ligue! Denuncie! Faça a sua parte! Você pode salvar vidas

Letícia Neto Ruiz tem 38 anos, é Psicóloga Especialista em Infância, e é Moderadora do Clube da Borboleta.

Decoração: a essência do Casamento

Por Lívia Komar em 11/05/2018

A Decoração do Casamento é entendida muitas vezes como a essência da festa,
pois remete aos convidados a sintonia e o estilo dos noivos, desde a paleta de cores que
estão em todos os ambientes da festa, flores, objetos e até mesmo em como a disposição
da mobília é realizada.
É importante os noivos pensarem em um conjunto de cores para “ilustrar” a sua
festa nos objetos decorativos, mobília escolhida, nas cores das toalhas e talheres, e até
mesmo se as flores que gostam estarão disponíveis e bonitas na época do ano do
casório.
Da cerimônia à comemoração, a decoração deve mostrar algo único e especial.
Por exemplo, se os noivos escolheram um local campestre, todo o local precisa ser
decorado para que haja uma ideia de continuidade e sintonia em todos os itens da
decoração, tais como flores, mobília, cores e até mesmo na disposição das peças
decorativas.
O importante é que os convidados olhem cada ambiente decorado e pensem:
“Nossa, a noiva ama essas cores e essas flores” ou “ Essa música é a preferida do
noivo”, ou até mesmo nos detalhes mais simples como um prato servido aos convidados
que remeta ao gosto do casal.
Seja uma festa mais simples ou mais sofisticada, a decoração, essência da festa
expressa toda a originalidade dos noivos, pois cada detalhe foi sonhado e construído
para agradar, transmitir harmonia e despertar a beleza e emoção aos olhos de cada
convidado.
No próximo texto sobre casamento falaremos de como se preparar para um dos
momentos mais desejados pelos noivos: A Lua de Mel!
Fernanda Andrade, 32 anos, é Master do Clube da Borboleta, está noiva e planejando seu casamento para este ano.

Vou ter o segundo bebê… E agora?

Por Lívia Komar em 04/05/2018

 

A família toda acaba tendo que se reestruturar com a chegada do bebê, especialmente se já existem filhos mais velhos.
Dizem que quando se tem o segundo filho, tudo é mais fácil. Os pais já sabem trocar a fralda, colocar para arrotar, dar banho. Porém…
O desafio agora é outro!
Como deixar o filho primogênito mais confortável com a chegada do bebê? Como fazer com que ele participe e não se sinta trocado ou excluído? E se ele regredir em alguns comportamentos? Repreender ou ignorar?
A criança deve se sentir incluída nessa nova realidade… Deixe-a participar da escolha do nome do bebê, acompanhar o ultrassom, ajeitar com você o quartinho. Ela precisa sentir que faz parte desse processo.
Tome cuidado para não passar medo ou insegurança para a criança. Certamente é mais difícil cuidar de duas crianças em idades diferentes, mas imagine quanto amor você receberá de volta!
Não realize grandes mudanças na rotina do filho mais velho(como trocar de escola ou desfraldar) perto da chegada do bebê, para que ele não associe esses fatos com o novo integrante da família.
Quando o bebê nascer, presenteie a criança mais velha em nome do bebê. À priori, não os coloque no mesmo quarto. O sono do bebê é irregular, e o primogênito precisa ter um sono calmo e tranquilo.
Enquanto o bebê tira as sonequinhas a tarde, dê atenção redobrada para a criança. Mantenha as atividades que estão acostumados a fazer juntos. Por exemplo, se vão ao shopping ou ao parque andar de bicicleta, é imprescindível que continuem. Não é necessário mudar nada, apenas adequar.
Se fazer presente na hora das refeições, na chegada da escola e na hora da lição ajuda muito a criança a não sentir essa mudança brusca com a chegada do bebê.
É muito comum algumas regressões por parte do filho mais velho. A fala pode ficar mais infantilizada, o choro sem motivo pode ser frequente, e voltar a fazer xixi na cama pode ser uma nova realidade. Não perca a calma! Vai passar!
É normal a criança sentir ciúmes em relação ao bebê, afinal, ela está perdendo seu posto. Pergunte a ela como se sente e mostre que ela é muito amada.
Eleve a auto estima da criança, potencialize suas qualidades, dê-lhe algumas responsabilidades acerca do bebê. Quando alguém elogiar o bebê na frente da criança, diga que ela também é linda, desde muito pequena. Jamais compare um filho ao outro na frente dele. Não é necessário que ele ouça o quanto foi “chorão” durante à noite, e o quanto o bebê é calmo. A criança deve se sentir única e especial, como sempre foi.

 

Letícia Neto Ruiz é Psicóloga Especialista em Infância e Adolescência, e Moderadora do Clube da Borboleta.

Optantes pelo Simples Nacional poderão pagar débitos com descontos

Por Lívia Komar em 27/04/2018

Após longa espera, foi aprovado o Programa Especial de Regularização Tributária para as Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional, conhecido como “PERT-SN”. Por meio dele, será possível aos contribuintes saldar seus débitos federais em atraso, valendo-se de descontos sobre os juros, multas e eventuais honorários advocatícios.

 

Os contribuintes interessados em aderir ao Programa, terão até o dia 9 de julho de 2018 para incluir seus débitos apurados no sistema de apuração fixa do Simples Nacional (SIMEI), vencidos até o mês de novembro de 2017.

 

Os pagamentos deverão ocorrer de uma das seguintes formas:

 

  • Entrada de 5% do valor total da dívida sem reduções, dividida em até 5 parcelas mensais + saldo residual liquidado integralmente, em parcela única, com redução de 90% dos juros, 70% das multas e 100% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios;

 

  • Entrada de 5% do valor total da dívida sem reduções, dividida em até 5 parcelas mensais + saldo residual parcelado em até 145 parcelas mensais, com redução de 80% dos juros, 50% das multas e 100% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios;

 

  • Entrada de 5% do valor total da dívida sem reduções, dividido em até 5 parcelas mensais e consecutivas + saldo residual em até 175 parcelas mensais, com redução de 50% dos juros, 25% das multas e 100% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios.

 

Como consequência da adesão, além da confissão irrevogável e irretratável dos débitos consolidados, o Microempreendedor Individual (MEI) deverá apresentar a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN – SIMEI) para poder parcelar. A declaração deve se referir aos períodos que dizem respeito à dívida. Além disso, foi regulamentado que a adesão ao PERT-SN suspende eventual termo de exclusão do Simples Nacional, inclusive Ato Declaratório Executivo, de quem estiver no prazo de regularização de débitos tributários.

 

As parcelas serão atualizadas pela SELIC e não serão fixadas em valor inferior a R$50 para o Microempreendedor Individual e R$300 para as demais microempresas e empresas de pequeno porte.

 

Via de regra, os pedidos serão direcionados à Receita Federal do Brasil, com exceção dos débitos já inscritos em Dívida Ativa da União. Estes deverão ser parcelados junto à Procuradoria Geral da Fazenda Nacional. Os débitos de ICMS e ISSQN deverão ser encaminhados para inscrição em dívida ativa dos Estados ou municípios, que serão parcelados perante os respectivos entes.

 

O PERT-SN pode, portanto, ser uma boa oportunidade para regularizar os débitos federais de micro e pequenas empresas. Mas as análises do risco de consolidação de passivo quanto a cada débito, bem como da implicação da adesão ao parcelamento, devem ser feitas com o auxílio de profissionais qualificados, como advogados e contadores.

 

KWs: simples nacional, parcelamento simples nacional, débito simples nacional, simples nacional parcelamento, dívida mei, microempreendedor individual

 

Facebook: As microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional, assim como os microempreendedores individuais (MEI´s) poderão pagar seus débitos federais com descontos. Os contribuintes terão até o dia 9 de julho para adesão.

 

 

Nathália Luiza Moré Mataruco é da coordenação do Clube da Borboleta e advogada das áreas tributária e penal tributária.

 

 

 

 

 

 

Casamento: como escolher o local ideal

Por Lívia Komar em 27/04/2018

O casamento é a realização de um sonho dos noivos, por isso precisa ter a “assinatura” do casal, o estilo dos noivos precisa estar em cada detalhe, desde o local e horários escolhidos para a cerimônia e recepção dos convidados à decoração (flores, bolo cenográfico, paletas de cores da decoração) e até mesmo nos convites, presentes dos padrinhos e lembranças para os convidados, que geralmente são muito significativas, pois imprimem a “carinha dos noivos”.

Para deixar o casamento mais agradável e especial e com a “assinatura” do casal, é fundamental escolher um local adequado para a quantidade de convidados, que permita que os convidados fiquem à vontade durante a festa. É importante que tenha estacionamento ou seguranças para que os convidados aproveitem a festa sempreocupações.

Não pode ser um espaço muito amplo para não parecer que a festa está“vazia” ou com poucos convidados.

As opções são amplas, como casamento ao ar livre em local campestre, na praia, na fazenda, em um bom restaurante, em um hotel, e até mesmo na própria futura residência dos noivos. Para realizar a decisão é necessário avaliar a estação do ano e condições climáticas prováveis, tipo de cerimônia e as possibilidades financeiras do casal.

Por isso o local para ser perfeito deve combinar com a época do ano escolhida,
pois não podemos marcar uma cerimônia ao ar livre em um mês chuvoso, por exemplo, ou ainda realizar a recepção em um local fechado e sem climatização em uma época
quente como a estação do verão.
Portanto, os estilos de casamento são diversos e o que realmente importa é ter a “carinha dos noivos”, pois ao celebrar o amor os noivos precisam realizar seu sonho por completo e por isso a escolha do local é tão relevante. O casal precisa se atentar a alguns detalhes na escolha do local, tais como: climatização, se o local pode realizar esse tipo de evento com alvará, se há segurança, mobiliário bem conservado, espaço externo bem
cuidado, etc.
No próximo texto abordaremos a decoração como um todo (paletas,
mobiliário, flores) e detalhes que fazem toda a diferença na realização deste sonho.
Fernanda Andrade é Master do Clube da Borboleta, está noiva e planeja seu casamento para 2018.

Birras Infantis: Como lidar???

Por Lívia Komar em 20/04/2018

O que se entende propriamente por birra? Tem crianças se jogam no chão, mordem, gritam, chutam, perdem o fôlego de tanto chorar. O que realmente está por trás dessa lista de comportamentos inapropriados? Falta de atenção? Falta de limites? Mimos exacerbados? Contradição entre o que a mãe determina e os cuidadores fazem???
Na primeira infância, a agressividade é vista como um pedido de socorro. Através da birra, a criança expõe sentimentos fortes e importante que passam despercebidos pelos adultos.
Em bebês e crianças que ainda não falam, a birra funciona como uma amostra de sentimentos, irritação, fome, frustração. Não sabem dizer que estão cansados ou famintos.
Quando a birra ocorrer, abaixe na altura da criança, diga que assim você fica triste, pegue-a no colo e diga que entende o que ela sente. Abrace-a forte, diga que a ama e retire-a do cenário da birra.
A birra nas crianças maiores funciona de outra forma. Esclareça que fazer birra não vai funcionar, e que quando ela se acalmar vocês conversam. Não brigue, não ceda, não grite, mantenha a calma e saia de perto.
Parece difícil, não é mesmo? É muito difícil, mas o adulto sempre está no controle.
Quando a birra ocorre em público, desça na altura da criança, segure-a nos braços e diga que ela não está agradando, e que você fica triste. Se não adiantar, ignore. Ande devagar em um ritmo que dê para a criança te alcançar, mas não volte para buscá-la. Ela não veio? Sente-se em um local próximo e espere. As pessoas olharão feio e ficarão desconfortáveis. Algumas irão abordá-la. Agradeça a ajuda e explique que você está apenas a educando, do seu jeito.
Quando ela se acalmar, você pode dizer que agora, sem gritos e ataques, consegue perfeitamente. Diga que a ama, mas demonstre seu descontentamento.
Por trás de uma birra, sempre há um motivo. Não julgue a mãe, nem olhe feio para a criança. Você pode até olhar o comportamento como inaceitável. A criança, jamais.

Letícia Neto Ruiz  é Psicóloga Especialista em Infância e adolescência, é  Moderadora do Clube da Borboleta.

 

Casamento: planejar para um sonho realizar!

Por Lívia Komar em 13/04/2018

Os noivos após saberem que estão com o amor de sua vida decidem se casar: Quanta felicidade! Pretendem também proporcionar uma linda cerimônia e ainda uma festa para suas famílias e amigos especiais e amados, dentro de suas condições financeiras, é claro! É importante fazerem uma reserva financeira, como uma poupança alguns meses antes do casamento para investirem na realização da comemoração, e assim chegam ao o primeiro passo: o Planejamento!

Como sabemos que a experiência é essencial para que esse sonho se realize com êxito, geralmente se iniciam os preparativos um ano antes do “grande dia”, e para isso os noivos começam a procurar um bom Cerimonialista e Assessoria, que geralmente ajudam em todas as etapas do casamento, desde a lista dos convidados ao grande dia, dando segurança e tranquilidade aos noivos diante dos desafios da organização do casamento.

Após essa primeira escolha chega-se a uma lista especial e o segundo passo do planejamento: a lista dos Padrinhos do Casamento. Como é maravilhoso escolher pessoas que são tão importantes para nós por toda a nossa vida e que são convidados a testemunhar a felicidade dos noivos, agindo como conselheiros e é claro, amigos!

Os noivos buscam selecionar pessoas que participaram em diversas etapas de suas vidas, bem como as que acompanharam seu relacionamento e que sempre torceram por eles. Escolhem também familiares queridos que sempre lhe deram muito carinho, amor e proteção e que estiveram ao lado dos noivos comemorando com eles suas pequenas e grandes vitórias. Indicam como padrinhos os amigos que consideram da família do coração, ou seja, pessoas realmente significativas e especiais para eles.

Os convidados são familiares e amigos queridos que permeiam a vida do casal e que fazem no cotidiano familiar, no trabalho ou nos momentos de lazer a vida dos noivos mais felizes e que estão presentes nos momentos bons e nos ruins, que fazem parte da vida.

Por isso as Cerimônias de Casamento são tão emocionantes e verdadeiras, pois as pessoas sentem todo o amor que envolve o casal e as pessoas que amam, consideram amigas e que sorriem sua felicidade.

Fernanda Oliveira de Andrade, 32 anos, é Pedagoga e Psicopedagoga,  está noiva e é Master do Clube da Borboleta.

 

Como ser um bom terapeuta?

Por Lívia Komar em 06/04/2018

Para ser um “bom terapeuta”, é necessário saber acolher, independente do tamanho da dor que a pessoa traz. É necessário compreender que todas as dores são únicas, e merecem receber o mesmo olhar.
Para ser um bom terapeuta, é necessário deixar todos os seus medos e inseguranças trancafiados; afinal, a sua sala de atendimento é um local sagrado onde os pacientes são livres para se expressar da forma que quiserem. É necessário ter senso de humor e saber tirar sorrisos inesperados sem ter que anular a tristeza e o sofrimento: eles precisam ser – e ter – sentidos.
Para ser um bom terapeuta, é necessário ter empatia: saber se colocar no lugar do outro, compreender a sua dor, vibrar com as suas conquistas.
É necessário saber ouvir, e também saber calar. Um bom terapeuta interpreta o silêncio, e através de pequenos gestos, é capaz de realizar grandes leituras na alma.
O bom terapeuta aceita o término da terapia (mesmo que ainda não seja a hora), compreende que ciclos começam e terminam, e sempre está de braços abertos caso o paciente queira voltar. O bom terapeuta se coloca a serviço do outro, sem esperar nada em troca. Para ser um bom terapeuta, é necessário ter muito amor ao próximo. Mais ainda! É necessário ter amor próprio, e se doar incondicionalmente a esse amor.
É necessário despir-se de todo e qualquer tipo de preconceito. É necessário ter paciência para ouvir e transformar dores.
Um bom terapeuta não mente, e não julga.
Um bom terapeuta nem sempre está bem, mas sempre faz tudo para que as pessoas fiquem bem.
Um bom terapeuta apenas acredita. Em si mesmo, e nas pessoas.

 

Letícia Neto Ruiz, 38 anos é casada e mãe de uma filha. Psicóloga Infantil, Consteladora Sistêmica e Screener, também é Moderadora do Clube da Borboleta.

 

 

Exposição nas redes sociais traz riscos para quem omite informações do Fisco

Por Lívia Komar em 05/04/2018

O contribuinte pessoa física tem até o dia 30 de abril para entregar sua Declaração de Imposto de Renda. Faltando pouco mais de um mês para o término desse prazo, os brasileiros estão alimentando o sistema da Receita Federal para cumprir sua obrigação fiscal em 2018. Mas o que muitos não sabem é que, neste momento, há auditores do Fisco vasculhando perfis na internet à procura de sinais de luxo e ostentação. Portanto, fique atento à sua exposição nas redes sociais.

As mídias sociais são ferramentas importantes de interação e socialização. Por isso, a Receita Federal do Brasil passou a observar plataformas como Facebook, Instagram, Linkedin e YouTube, que estão servindo como subsídios do trabalho fiscal feito pelo órgão público, que tem como função administrar os tributos federais.

As pesquisas são realizadas em casos de contribuintes que estão em processo de “malha fina” (quando são verificadas inconsistências em suas declarações de imposto de renda); para apuração de denúncias sobre sonegação fiscal; ou, ainda, para reunir provas em caso de autuação fiscal; podendo, também, acontecer para localizar bens omitidos pelo contribuinte de débito tributário já constituído e não pago.

Será investigado, por exemplo, o contribuinte que deixou de declarar bens ao Fisco, mas exibe propriedades ou uma vida de luxo incompatível com seus rendimentos. O próprio site da Receita Federal citou o caso de um indivíduo que sofreu cobrança de débito tributário e teve bens localizados e bloqueados. Após uma busca nas redes sociais de seu filho, que ostentava as viagens caras que a família realizava e o patrimônio que o pai possuía.

Em linhas gerais, os auditores analisam a exposição nas redes sociais dos contribuintes, procurando por disparidades entre os bens e direitos relatados ao Fisco e as informações exibidas online. Se houver indícios de divergência, outros cruzamentos de dados são realizados, como a análise de propriedade de bens, imóveis e veículos, informações bancárias, declaração de fontes pagadoras, recebimento de aluguéis, pagamentos feitos a profissionais de saúde e assim por diante.

Confirmada a disparidade, o contribuinte será intimado a prestar esclarecimento ou até mesmo já autuado. A estimativa da Receita Federal é de que as informações encontradas em redes sociais já contribuíram para o lançamento e/ou atribuição de responsabilidade tributária a mais de dois mil contribuintes. Eles teriam sonegado aproximadamente R$1 bilhão. O uso das redes sociais como ferramenta para a fiscalização, portanto, já está consolidado.

Essas mídias vieram para somar e são bastante úteis e benéficas para quem as utiliza de forma prudente. Mas seu uso desmedido, quando há excessiva exposição nas redes sociais, traz prejuízos por questões de segurança e preservação da intimidade. Além disso, pode causar problemas aos contribuintes que tentam não cumprir suas obrigações tributárias. O Leão está de olho!

Nathália Luiza Moré Mataruco é da coordenação do Clube da Borboleta e advogada das áreas tributária e penal tributária.

Junto e misturado!

Por Lívia Komar em 14/03/2018

Você conhece nossa coordenação? Saibam que temos muitos perfis diferentes das áreas mais variadas

Se você for presa, temos advogada!

Se você estiver precisando dar um tapa no visual, temos cabeleireira, manicure, designer de sobrancelhas e maquiadora.

Se precisa ficar bonita na foto, temos fotógrafa.

Se estiver depressiva, temos psicóloga,  e abraço também!

Se quiser mudar o sorriso temos dentista,  e palhaças também!

Se o problema for organizar dinheiro, temos contadora.

Se precisar comprar,  vender ou alugar imóveis, temos corretoras.

Se precisar bater um papo, temos o pessoal de humanas e também o pessoal de exatas!

Se precisar de peças e presentes exclusivos temos artesãs!

Se precisar de delícias doces e salgadas temos cozinheiras de mão cheia, e chefs de cozinha.

Se que alguém pra cuidar do seu pet , temos petsitter.

Se quer emagrecer ou ganhar peso, ou ter uma alimentação saudável temos nutricionista.

Se precisar de assessoria em comunicação, designer gráfico ou web designer ou consertar o computador temos fera no assunto.

Se acontecer um acidente e precisar ser resgatada, temos TARM (técnico auxiliar de Regulação Médica).

Se precisar comprar temos vendedoras.

Se precisar vender temos compradoras.

Precisa deixar sua casa organizada, limpa e cheirosa, temos diarista.

Se precisar ir, buscar ou levar,  temos taxista.

Temos negra,  branca, mulata, oriental e mestiça.

Temos heterossexual,  homossexual,  bissexual , trans e outras opções.

Temos católica, evangélica, umbandista , espírita e ateias.

Temos secretária,  estudante, professora, assistente social e amigas.

Todas juntas e misturadas.

Todas únicas e plurais.

Não diga que somos somente uma parcela de tantas facetas humanas.

Somos a representação de mais de 270 mil mulheres!

E estamos aqui por vcs…

Muito obrigada por nos ajudarem a fazer esse grupo um local virtual maravilhoso de se viver!

 

 

Soraya Miotto, 45 anos, lindos cabelos brancos e muita felicidade no coração. Esposa, mulher maravilha e mãe de uma menina sapeca e de um menino arteiro, artesã e Coordenadora do Clube da Borboleta!